A praia impressiona já na chegada, do Mirante que dá acesso à trilha. Lá do alto, é possível ver quão longa é a praia e os tons de verde e azul se misturando na água. Também é possível ver as piscinas naturais formadas nas pedras, cujo acesso não é permitido. 

A maior praia em extensão da ilha é também a com maior índice de desova de tartarugas marinhas. Todos os anos, de dezembro a junho, milhares de tartarugas nascem formando um espetáculo inesquecível. 

Uma ilha de pedra se assemelha com um leão marinho deitado, vindo dai o seu nome. Ao lado desta, outra pedra abriga ninhos de centenas de pássaros, que assim como a pedra, se chamam viuvinha. 

Mesmo calmo, as águas tem correntezas fortíssimas. Evite entrar na água sem a supervisão de um guia. O local é praticamente deserto, por isso: leve o que for precisar. E não deixe nada para trás, além de pegadas na areia. 

Se for para Noronha entre dezembro e junho não se esqueça de passar na sede do Projeto TAMAR para se informar dos dias e horários de desovas das tartarugas marinhas.