As tartarugas estão no período reprodutivo (Foto: Ana Clara Marinho/TV Globo)

O Protejo Tamar tem realizado a abertura de ninhos de tartarugas marinhas, em Fernando de Noronha, para divulgar o trabalho de preservação das espécie.  Esta semana mais de 200 visitantes e moradores da ilha estiveram na Praia do Bode para ver o nascimento das tartaruguinhas. O projeto removeu cerca de 80 tartarugas da praia do Americano para o Bode.  “O acesso ao Americano está bem complicado e a chegada  das pessoas seria dificultada, por isso trouxemos o ninho para o Bode, não tem influência negativa”, explicou o  biólogo Luís Felipe Bortolon, do Projeto Tamar.

O público foi dividido em duas fileiras e as crianças ganharam espaço privilegiado para ver de perto as tartaruguinhas. Depois das explicações do ciclo de vida das tartarugas  os filhotes foram soltos para seguir até o mar. Mas o perigo vinha do alto, uma fragata sobrevoava a área perigosamente. A ave aguardava a soltura para predar as tartaruguinhas. Por conta disso os filhotes foram recolhidos até que a fragata abandonasse a região.

Com a saída da ave foi feita a contagem regressiva e finalmente os filhotes foram soltos. Os animais mostram agilidade no caminho para o mar, emocionando quem acompanhava o espetáculo natural. “Eu gostei, dá pra ver as tartaruguinhas entrando no mar, adorei”, afirmou a garota Iris de Oliveira, de apenas cinco anos. “Eu sou de São Paulo, eu achei emocionante, na verdade era meu sonho de infância e acabei realizando junto com minha filha, é inesquecível“, comemorou Walesa Oliveira , mãe da pequena Iris.

Este ano o Tamar está monitorando 101 ninhos, no ano passado registrados 267 ninhos, um recorde. “O ano de 2016 tem sido de muita chuva, mas isso não interferiu. Essa redução no número de desovas faz parte do comportamento da tartaruga, a mesma tartaruga não desova toda temporada , ela dá intervalo. Os animais que desovaram em 2015,  este ano estão em descanso, recuperando-se. Os ninhos deste ano  são outras tartarugas. A gente acredita que daqui a duas  temporadas devemos ter um pico e quem sabe bater o recorde”, previu Luís Felipe Bortolon.

O biólogo do Tamar considera positivo o nascimento público dos  filhotes. “É fundamental para integrar a comunidade e os turistas com a conservação das tartarugas e o meio ambiente. A gente se aproxima do público e todo mundo colabora. Aos poucos a gente muda a consciência e isso é um grande resultado”, finalizou Bortolon. Mas quem quiser ver o nascimento das tartaruguinhas ainda este ano  bom se apressar, a temporada segue até junho. 

 

Quinta-feira, 26/05/2016, às 09:34, por Ana Clara Marinho.

Fonte: Clique aqui.