Sérgio levou a filha Hadassah cedo para o mar (Foto: Divulgação)
Sérgio Lima é um exemplo para os jovens de Fernando de Noronha. Nascido e criado na ilha, ele não tem pai, a mãe enfrenta  problemas com álcool e o irmão mais velho lutava para se livrar das drogas quando foi assassinado no Recife, há pouco mais de um mês. Mesmo com um cenário de tantas dificuldades,  Sérgio conseguiu fazer diferente. Na infância participou da escolinha de surfe, dedicou-se ao esporte, tornou-se profissional e no ano de 2010 partiu em busca de um sonho: trabalhar e morar no Havaí, e ele conseguiu. Sérgio é professor respeitado e formou famíla.

“Eu entrei na escolinha de surfe organizada por Iaponã, Ciço  e o pastor Raimundo. Eu  sempre quis ser exemplo para meus irmãos mais novos. Muita gente me julgou. Um amigo meu, Dario Fraga,  me chamou para fazer uma conexão Noronha-Havaí. Eu já tinha este sonho, muitas pessoas me ajudaram, conheci minha esposa, Carly (que é dos Estados Unidos).  Ela é fotógrafa, esteve na ilha e a gente passou a namorar pela internet. Eu já era surfista profissional,  casei com Carly no Brasil,   minha mulher morou comigo em Fernando de Noronha um ano e surgiu a oportunidade seguirmos para o Havaí e nós fomos”, lembrou Sérgio que esteve em Fernando de Noronha  para visitar a mãe.
Na época da viagem Serginho tinha 24 anos e não falava inglês, mas partiu para o desafio no Havaí. Ele  estudou, aprendeu a língua e hoje fala com sotaque estrangeiro. O atleta  deu aulas de surfe e atualmente tem uma escola onde ensina os segredos do esporte para 120 pessoas. “Eu dou aulas para os turistas e também faço trabalhos voluntários para a comunidade, ensino o surfe para jovens de 11 a 18 anos. Eu passo também um pouco da minha história de vida, as dificuldades que tive em Noronha”, falou.

Sérgio tem mais de 100 alunos no Havaí. Sérgio Lima é religioso e na igreja faz a função de pastor de jovens. “ Eu sou responsável pelos jovens, pergunto se não estou envolvidos com álcool, drogas ou abusos sexuais, acompanho, dou conselhos. A gente tem muita liberdade, mas as vezes a gente não dá valor. Eu dei valor a minha liberdade. Aproveitei essa minha passagem pela ilha e falei com meus amigos daqui , contei a minha experiência”, afirmou.

Ele não esconde a satisfação  com a família que formou. Pai de Hadassah Lima, que tem  ano e um mês de idade, uma garota prodígio. Ainda bebê ela foi para o mar , as fotos e imagens impressionam.  A menina subiu na prancha aos quatro meses de vida, pegou e tirou onda ao lado do pai, adorou a brincadeira  A pequena Hadassah não esconde o prazer em surfar e é o orgulho do pai/professor. Sérgio voltou para o Havaí e prometeu retornar em breve com toda a família para surfar em Fernando de Noronha.

 

 

 

 

Fonte